domingo, janeiro 27, 2013

Santa Maria, 232


Tragédias não são acidentes
Elas escorrem do inevitável
Fazem a natureza sangrar
E rugir

Quando alguns dizem "tragédia"
Querem esconder
Descaso
Ganância
Falta de preparo
Ou ódio
Mas ódio
Perto da ganância, do descaso e da falta de preparo
Pode nem ser tão violento
Ou trágico

Talvez ainda pior
Não trágico, mas sórdido
Seja o jornalismo sangrento
Invasor de dores privadas
Que custeia a audiência
Com sensacionais
E torpes
Manchetes                     
Tornando os ausentes
Personagens da semana.

quarta-feira, janeiro 23, 2013

Crepúsculo baiano



O Sol envia
Seu último beijo do dia
Ao Farol da Barra
E mergulha
Com euforia e preguiça
Do outro lado da baía

A malha molhada do mar
Do Cristo à Praia do Porto
Se espalha
E costura
Seu verde chumbo-esmeralda
Na franja das barras da praia

A brisa do fim do dia
É morna
E o canto de mil ancestrais
(Sobre o lixo escarrado na areia)
Informa
Que ainda há motivo pra revolta

Pensando fora da Cabana



Tempinhos atrás, três, quatro anos mais ou menos, falei muito do livro A cabana. Do ponto de vista literário ele não me agrada, lia o tempo todo sem achar uma frase que me surpreendesse esteticamente, a cada quadro, como se fosse um filme da Sessão da Tarde, eu ficava com a sensação de que já havia visto ou lido coisa semelhante em algum lugar.
Também e talvez principalmente me incomodou o modo como Deus era retratado. Não, ver o pai como uma mãe americana típica não foi um problema, nem o fato de ela ser negra pareceu novidade, posto que Ariano Suassuna já fizera o mesmo há muito tempo sem causar alarde algum. O Espírito Santo ser uma asiática ou Jesus ser um self-made man com traços árabes também não assusta. Mas fiquei achando que alguns dos diálogos da Trindade poderiam ser um pouco mais inteligentes em vez de ficarem apenas rodando em torno de estereótipos do que poderia ser o comportamento padrão da família americana feliz; não adianta nada colocar um árabe e uma coreana na conversa, se é para os dois agirem como membros de uma família estadunidense suburbana, a coreana meio bicho grilo, o árabe meio desastrado. Algumas espertezas, como a inclusão de um palavrão para agradar aos religiosos "outsiders", elementos do espiritismo chapa-branca hollywoodiano, mais uns fumos de religiões orientais, numa sopa sincrética, ou "eclética", como gostam de dizer os músicos que carecem de personalidade, mais a ideia completamente "inovadora" de que o amor e o perdão superam tudo completam o que para mim é A Cabana.
Nada contra ecletismos, desde que sejam autênticos, e não um jargão para anabolizar talentinhos. Já com os sincretismos eu tenho algumas ressalvas, pois música a gente pode misturar, a qualidade dependerá da competência do compositor; já crenças inconciliáveis, quando juntas, podem cair na hipocrisia ou virar um golpe publicitário a mais. A sopa sincrética da Cabana, dizia eu, serve para esquentar a barriga de leitores afeitos aos best sellers, ou a uma crença em um amor que, em vez de tudo saber, como escrevera o apóstolo, tudo ignora. E Deus, dialogando consigo mesmo de um modo entre aparvalhado, místico-misterioso...
Aliás, sempre que Deus fala, no cinema, na televisão ou na literatura, fico incomodado, especialmente quando a obra pretende ser séria; nas comédias, estando explícito o contrato de que aquilo não pode ser levado ao pé da letra, estando aberta a intenção do autor de fazer chacota, ou de levar a uma reflexão apoiada no riso, acho algo digno, honesto. Já nos textos que se pretendem sérios, que planejam levar uma "mensagem profunda", fico cismado, desconfiado e já parto com uma certa antipatia. Reconheço meu preconceito e não o considero bonito. Mesmo assim pretendo explicá-lo.
Todo mundo que acredita em Deus, ou em alguma manifestação do sobrenatural que tenha controle sobre as próprias ações e pensamentos, independente de sua religião particular, de seu ponto de vista, imagino, crê em algo que pensa, que tem personalidade, que existe independente de nossa existência, que está em nós antes  mesmo de conseguirmos elaborar uma frase do tipo "mãe, terminei". Gosto muito de um verso de Arnaldo Antunes que diz "O que se crê não se cria", da música Medo. Acho que o compositor nem acredita em Deus, mas concordo com ele: não creio que o Deus em quem acredito tenha sido criado, mas que Ele é criador.
Apesar disso, ao escolhermos alguma forma de fé, temos o péssimo hábito de dar algumas desbastadas nas arestas para que a divindade se pareça conosco. Isso é natural, embora não seja plenamente honesto. Natural, mas esdrúxulo, e vemos isso com clareza nas demais relações interpessoais que mantemos. Tentamos deixar marido, esposa, filhos, amigos, cachorros, colegas de trabalho, de igreja, virtuais, nossos alunos e mestres, todos eles parecidos conosco, ou próximos daquilo que consideramos ideal. Deus é Deus, seu status não muda, mas se ele ficar parecido comigo, terei um pouco de divindade em mim,serei menos contestável, minha consciência não terá grandes conflitos, estarei do lado da razão, do bem, da verdade. Adorar a um deus parecido comigo é também adorar um pouco a mim mesmo, é deixar-me mais poderoso!
Aí eu sempre fico a pensar que um livro que traz Deus como personagem, que pretende, cheio das boas intenções, mostrar a Deus "como Ele realmente é", na maioria das vezes traz o próprio autor - nesse caso não falo de narrador, mas de autor, mesmo - travestido de Deus. É desonesto colocar nossas palavras na boca de alguém com a intenção de legitimar nossas próprias opiniões. Políticos fazem isso o tempo todo, e não gostamos do que políticos fazem conosco o tempo todo, certo?
Esse recurso narrativo, ficcional, repito, só teria sentido, só seria legítimo dentro de um outro contexto, que explicitasse as regras do jogo, que a ficção nunca deixasse de estar às claras, e não para usarmos o prestígio de alguém - Deus ainda tem prestígio, apesar de esforços universais para sujar sua imagem - para, muitas vezes, subvertermos as palavras de alguém, para o trairmos.
Mesmo que o resultado final seja bonitinho, "uma mensagem de amor e esperança para todas as pessoas", o processo é altamente desleal e, por não buscar a verdade, mas tentar forjar uma, sempre tem um pé na mentira.

Seguidores