quinta-feira, junho 26, 2014

15 livros


Eduardo Bueno é um jornalista que, cerca de quinze anos atrás teve uma óbvia sacada: a celebração dos 500 anos do descobrimento do Brasil poderiam render grandes frutos financeiros para quem se preparasse.
A partir daí, o gaúcho se preparou bem e produziu material sobre a história do Brasil, escrito de modo frugal, para o grande público, e tornou-se naquele tempo uma espécie de especialista leigo em história. Boa parte dos historiadores de ofício torceu o nariz para Bueno, por considerar o trabalho do jornalista superficial, sem o devido rigor acadêmico; mas, creio, sua obra cumpriu seu propósito de informar um pouco e distrair bastante, dentro de uma certa lógica do mercado, demanda e procura etc.
Passada a "sede de saber" nacional sobre o descobrimento, Eduardo Bueno ainda conseguiu algum espaço, que deveria ser ocupado por historiadores de fato, em programas de televisão e páginas da mídia. Por ser expansivo, sorridente, falante e sempre pronto para tirar um sarro de quem estiver por perto e mais ainda de quem não tiver no momento como se defender, muitos o consideram "carismático". Esses quadros e colunas, me parece, deram uma sobrevida ao jornalista, já que não lhe garantiram a mesma notoriedade, tantas vezes confundida com autoridade, dos tempos de 500 anos de descobrimento. Mas o cara, caricato, de vez em quando consegue alguma boca em algum lugar.
Atualmente, Bueno faz parte do programa "Extraordinários", da Sportv, que promete descontração, mas, ao menos nas poucas vezes em que tentei assisti-lo, só entregou edição caótica, direção algo ébria e falta de rumo. Contando com o essencial Xico Sá, "Extraordinários", dedicado a discutir eventos relacionados à Copa tem lá seus admiradores, mas dá alguns tiros na água, como a presença de Maitê Proença.
Pois bem. Eduardo Bueno, em um dos programas, se referiu ao Nordeste brasileiro como "aquela bosta". Logo na sequência, fez questão de informar que se tratava de uma "piada". Foi um duplo carpado sobre a gafe. Como a piada é definida, entre outras coisas, pelo contexto em que é dita e pela quebra da expectativa, pesquisadores do Inmetro não consideraram a fala de Bueno dentro dos padrões de qualidade e segurança.
Chamar algo de "bosta", sem nada que justifique minimamente o uso do termo, não é piada, é grosseria. Em segundo lugar, explicar a suposta piada é chamar seus interlocutores de burros, o que não é um ato de fineza. Bueno, talvez conhecendo a afirmação de Mário de Andrade sobre o conto, que viria a ser, nas palavras do escritor modernista "tudo aquilo que eu quiser chamar de conto", quis fazer crer, como já é prática corrente de alguns humoristas, que "piada é tudo que o [suposto] piadista queira chamar de piada". Não cola, até porque, a justificativa só é feita quando alguém diz algo ofensivo; o humorista nunca se explica pela piada ruim, apenas pela grosseria.
Como a afirmação correu o mundo virtual, Bueno precisou se justificar. Teve como uma de suas defensoras, a atriz Maitê Proença, que, falando da leviandade "dessas pessoas" que postam apenas um trecho de eventos na internet com o intuito de sujar a imagem de alguém, desconsideram o fato de que "o contexto do programa permite" que se refiram ao Nordeste como "aquela bosta". Afinal, é um programa "de humor".
Sendo o humor algo subjetivo, embora não tenha dado uma risada sequer nas vezes em que tentei assisti-lo, admito que há quem ria vendo "Extraordinários"; no entanto, assim como Eduardo Bueno é um falso historiador (nunca o vi se apresentando como tal, mas criou-se a falsa ideia disso) chamar alguém ou alguma região de "bosta" é uma falsa piada, especialmente no contexto em que a expressão foi proferida. Contudo, o mais surpreendente foi o argumento que o próprio Bueno usou para se defender, na verdade, foi um desafio: algum dos nordestinos que o acusaram de preconceituoso já teria lido a quantidade de livros de Câmara Cascudo que ele, o gaúcho Eduardo Bueno, lera? No total, foram quinze!
Foi o triplo carpado na gafe. Não contente em chamar toda uma região do país do que chamou, Bueno ainda insinuou que sabia mais sobre o Nordeste do que qualquer nordestino, pois ele já lera quinze − quinze! − livros de um autor nordestino. Não obstante este argumento quantitativo ser patético, ainda mais para um jornalista que estudou tanto para escrever seus livros de amenidades históricas, fico me perguntando se essa leitura toda lhe credencia a chamar o Nordeste de "bosta", além de insinuar que os nordestinos que se sentiram ofendidos com a "piada" são burros, iletrados, desinformados, ou qualquer outra grosseria, que, a essa altura, já nem faz tanta diferença.
Não creio que Eduardo Bueno pense de fato que o Nordeste é o que ele disse. Pra mim, o cara se empolgou em sua explicação didática e quis dizer algo que soasse engraçado (não uma piada), o que resultou em uma infelicidade. Pedir desculpas e assumir a gafe não o livraria dos raivosos que o perseguiriam pro resto da vida, pois na era do videotape e do Youtube somos vítimas de nossos atos, que jamais se apagam, sendo que antes era apenas a palavra escrita que ficava cristalizada, mas seria sincero e honesto, o que ainda vale alguma coisa. Tentar consertar usando argumentos de autoridade pueris, foi um ato de desespero arrogante, deixando a emenda muito pior que o soneto de pé quebrado que foi a suposta "piada". Em algum livro lido por Bueno, ele deve ter visto algo sobre humildade.


Em torno da Copa


Após uma verdadeira overdose de futebol, e de futebol de ponta, desses que nos lembram por que amamos este esporte, vamos pensar um pouco sobre o que ela traz à tona e que não tem nada a ver com o espetáculo.
A primeira evidência triste, tristíssima, é a ação da polícia com relação às manifestações. Pipocam denúncias de prisões arbitrárias por motivos os mais bizarros possíveis. A polícia anda desrespeitando a lei, com seus agentes desfilando sem identificação; prende quem anda rápido (!), quem fotografa base comunitária estacionada de modo irregular, advogados que acompanham pacificamente manifestações e quem estiver moscando nas manifestações também é um potencial candidato à detenção, sob acusação de baderna, depredação e terrorismo.
Isso da polícia não é qualquer coisa. Não estamos falando de arbitrariedades pensadas e executadas por indivíduos fardados: falamos de práticas organizadas por parte da cúpula da instituição. Então, de certo modo, e este modo não é nada sutil, vivemos oficiosamente um estado de exceção. Ou seja, atualmente, podemos participar de degustações do que viria a ser uma ditadura, basta estar perto de alguma manifestação, e se for contra a Copa, os petiscos são mais bem servidos.
Outra coisa que a Copa tem proporcionado para quem não gosta, ou não tem acesso a ela, é o profundo desprezo misturado à violência que têm sofrido os moradores de rua, especialmente os que transitam em locais estratégicos, como as proximidades de estádios e os centros das cidades sedes. Se os moradores de rua se manifestarem contrariamente à Copa, então, correm o risco de sofrer torturas e sabe-se lá o que mais. Mais uma vez, a polícia tem assumido o protagonismo nessas ações.
Entretanto, não estamos falando exclusivamente de um problema de comportamento da polícia. As emissoras licenciadas da FIFA, que estão fazendo a cobertura da Copa, andam tão empolgadas com os jogos, Neymar, Messi e companhia, que mesmo aquelas que contam com jornalistas menos deslumbrados, ou vendidos, têm deixado de lado toda a questão das manifestações, das prisões arbitrárias, do tratamento dispensado aos moradores de rua e dos diversos desmandos da PM. Maior cobertura jornalística desses eventos não empobreceria o espetáculo futebolístico e talvez servisse para que futuras Copas fossem realizadas de modo mais responsável e humano.
Nas redes sociais, partidários do governo federal têm exaltado a chamada "Copa das Copas". Em campo, é bem possível que isso seja verdade, embora não tenhamos Pelé, Garrincha, Maradona, Puskas, Beckenbauer, Ronaldo ou Romário atuando. Também é verdade que as catástrofes previstas com tamanha precisão e anseio por boa parte da mídia e dos políticos não aconteceu. Mas uma coisa é, tendo rejeitado o Armagedon noticiado e sonhado com antecedência por parte da mídia comprometida com a banda podre da oposição sem projeto, tirar um sarro e cantar vitória; outra é ridicularizar quem, justamente por ter pontos de vista consistentes, insiste nas manifestações, pois aí não se trata de algo circunstancial, e sim de um projeto de país que precisa urgentemente ser discutido pela população. Olhar exclusivamente para a Copa, sem caos aéreo, sem apagões, sem nada que justifique o mantra decantado por tantos anos, "imagina na Copa", é virar as costas para os enormes problemas ainda não resolvidos em solo brasileiro.
Por último, nós, os amantes do futebol, também estamos colaborando para que a Copa esconda nossas verdadeiras questões. Copa do mundo é evento raro, que ocorre a cada quatro anos, e com essa qualidade técnica é algo raríssimo e sem periodicidade definida. Temos enchido nossos olhos de gols, de dribles, de esquemas táticos, de personagens interessantes, da seleção da Bósnia a Suárez, de Cristiano Ronaldo ao time da Costa Rica, e deixamos de lado, em nome de um patriotismo de chuteiras meia boca, os horrores − repito: horrores − perpetrados por governos, policiais e por aquela parcela podremente chique que, mesmo não citada neste texto, incomoda com seus narizes empinados, seus cafetões eletrônicos, seus xingamentos anticívicos e suas frases vazias de significado do tipo "só no Brasil".
Mas cada coisa tem o seu lugar e a sua hora. É possível, sim, a despeito da FIFA, símbolo máximo da banda podre do futebol, nos encantarmos com pedaladas e gols sem perdermos a consciência de classe, de povo, de nação. Em torno da Copa, há um país que precisa ser visto e revisto; não nos esqueçamos disso.


quarta-feira, junho 25, 2014

Enfim, Messi!


É a terceira Copa do craque argentino. Nas duas edições anteriores, em uma ele foi reserva; na outra, era o jogador de confiança do técnico Diego Armando Maradona. Agora, ele é Messi.
O que significa ser Lionel Messi? Ser craque? Cristiano Ronaldo, Neymar, Pirlo, Benzema, Gyan (esse menos, beleza) também são. Significa ser uma indiscutível máquina de fazer gols? Isso é parte de seu talento. Ser um líder silencioso em campo?  Esse é Drogba, que também é craque, não resta dúvida. Ser Messi é algo que vai além disso.
O camisa 10 da Argentina é um caso raro de jogador, de craque: o protagonista sem estrelismo. Nas duas primeiras Copas de que participou, Messi foi um reserva de luxo e um falso protagonista, pois Maradona de técnico, ninguém duvidará disso, concentrou as atenções na seleção dos hermanos. Agora, tendo Sabella como técnico, que passa a maior parte do tempo olhando para o campo com cara de quem tem nojo de futebol, e sem nenhum jogador que chegue ao menos perto de seu talento − Di Maria estava em ótima fase antes da Copa, Agüero é um bom jogador e Higuaín é um Fred bem piorado, os três não chegam perto do que Messi é capaz − a responsabilidade e as atenções ficaram todas sobre o melhor jogador do mundo na atualidade. É disso que ele gosta, é por aí que ele trabalha melhor.
Messi não busca os holofotes, busca apenas a eficiência e os resultados. Não faz questão de aparecer bem penteado no telão, almeja gols e vitórias. Dá a entender que não pensa nem em ser o melhor do mundo, e que isso é pouco mais que um detalhe em sua trajetória. Dá pra perceber fácil a diferença entre ele e Cristiano Ronaldo.
Messi gosta do desafio, empolga-se com a cobrança, sabe que é o protagonista, mas não despreza seus companheiros de equipe. Tímido dentro e fora de campo, Messi não faz firula no meio de campo para ver os flashes espocarem: é sempre objetivo, vertical, e quatro vezes em três jogos (sem ter jogado o tempo todo) foi eficaz.
Nesta Copa, além de deixarem Messi ser Messi, há um outro fator, que deve estar apavorando os técnicos das equipes adversárias. Ele está nitidamente feliz e a fim de jogar. Se um Messi encabulado e sonegador de sorrisos já é quase sempre letal, imaginem um craque risonho, satisfeito com seu rendimento e, mais ainda, com a sua evolução? E o pior é que nós, que amamos futebol, também estamos risonhos com seu futebol; risonhos e amedrontados, é verdade!
Neymar também tem se destacado, e sem jogar ao lado de Di Maria, por exemplo. Também tem quatro gols em três partidas (e sem jogar o tempo todo). Também gosta do protagonismo e do desafio. A diferença é que Neymar está mais próximo de Cristiano Ronaldo no que diz respeito ao apelo midiático, ao gosto pelo flash; diferentemente do craque português, no entanto, o dono da camisa 10 brasileira parece ter o fato de gostar de seus companheiros, de jogar em equipe, e é, sem dúvida, o mais carismático dos três, a despeito da beleza exterior do gajo. Messi fica constrangido com o câmera que o filma de frente, de modo ostensivo; Neymar parece um ator tarimbado diante das câmeras; Cristiano Ronaldo se distrai para observar-se a si mesmo nos telões do estádio.
Nenhum dos três precisou de cartão de visitas nessa Copa. No entanto, ao final dessa primeira fase, Messi, sempre tão discreto, achou por bem se apresentar ao mudo. E enfim, em uma Copa do Mundo, temos Messi.


Bem-vinda, Bósnia


Um time que chegou à Copa gerando alguma expectativa, por ter jogadores como o atacante durão Dzeko, mas que não correspondeu em campo, foi a seleção de Bósnia e Herzegovina.
O que menos importa para esse país, imagino eu, é a classificação na Copa. Claro que seria muito legal chegarem às oitavas ou ainda mais longe na competição, mas, para um país que sempre foi notícia por causa de uma guerra que deixou um saldo de cerca de 220 mil mortos, participar de uma Copa do Mundo já é uma conquista extraordinária.
Bósnia e Herzegovina agora são um país normal. Ou um país em busca de normalidade, pois imagino que a guerra levará algumas gerações para deixar de ser uma sombra pesada, maligna. Uma guerra deixa rastros de ódio. E a Copa, por mais que seja uma competição, que seja palco de revanches e rancores, também é, para quem sabe curtir, uma celebração entre nações, uma festa de torcidas, um encontro de culturas. Mais importante que os gols perdidos e "impedidos" da Bósnia (houve um gol legítimo anulado pela arbitragem no jogo contra a Nigéria) é estar em um evento que não seja negociação de paz, uma tentativa de limpeza étnica, um movimento separatista. Após assumir uma identidade, todo povo quer se integrar ao mundo.
Se o futebol deixou, e muito, a desejar, agora, Bósnia e Herzegovina agora estão integrados à humanidade, pois só é humano quem pode reclamar da arbitragem em uma Copa do mundo, reclamar de um time que não corresponde às expectativas, quem consegue ir além dos conflitos, quem troca as batalhas sangrentas pelos embates esportivos. Bem-vinda, Bósnia e Herzegovina!

Os dentes de Suárez


Loco Abreu defendeu, por um caminho tortuoso, a mordida de Luis Suárez, o "raçudo", "craque", que de vez em quando dá uma de louco (no pior sentido) e mancha sua biografia com bizarrices. O cabra já foi punido por usar termos racistas em jogo do campeonato inglês, já deu vexames variados e agora mordeu o ombro do zagueiro italiano Chiellini.
Nada, nem a protuberância dos dentes de Suárez, justifica uma mordida em campo, a não ser irritação descontrolada, a deslealdade, o desespero. Não querendo dar uma de inocente (falso) moralista, imagino que coisas semelhantes acontecem o tempo todo em campos de futebol, ao menos entre jogadores profissionais, tenho a impressão de que na várzea há mais respeito. Mas, cara, morder o adversário é uma coisa bizarra.
Suárez pode  alegar que Zidane deu uma cabeçada em plena final de Copa. Suárez não é Zidane, um craque incontestável, admirado não apenas por torcedores, mas por seus colegas de profissão, não pelo talento ou raça, mas por, dizem, ser um cara muito "gente boa". Suárez, que usa expressões racistas e os próprios dentes para, digamos, desestabilizar adversários, não é gente boa.
É raçudo, talentoso, a cara do poeta Sergio Vaz, faz gols como poucos, de vez em quando, como no jogo contra a Itália, joga mal como muitos. Também é desequilibrado, desleal e não sabe perder. O choro escandaloso do atacante uruguaio após seu time perder o título do campeonato inglês não é apenas sinal de raça, é o sinal externo de que o cara não aceita que alguém se destaque acima dele, que algum time seja melhor que o seu.
A famosa raça uruguaia no futebol muitas vezes não foi muito além de arrogância e truculência, especialmente quando o futebol de lá começou a escassear. Quando finalmente começaram a surgir novamente jogadores talentosos por lá − e não me refiro a equinos do quilate de Diego Lugano ou Maxi Pereira, esses continuam compensando a perebice com cara feia, canelada e alguns golpes frequentemente usados em disputas de MMA. A atual Celeste Olímpica tem jogadores talentosos ao ponto de não precisar dessa raça covarde e catimbeira. Daí que não faz o menor sentido um jogador talentoso como Suárez sair distribuindo mordidas e impropérios.
O Uruguai conquistou sua vaga para as oitavas de final da Copa do Mundo muito mais pelos dois golaços de Suárez contra o Uruguai e pela raça legítima de jogadores como Godín, com um gol desajeitado, mas ainda assim gol. Pode-se dizer que o Uruguai se classificou apesar da tal raça desesperada de jogadores como Suárez e talvez graças a ausência de Diego Lugano e Maxi Pereira. Bonito mesmo foi ver o zagueiro-menino Giménez chorando e beijando o escudo uruguaio após o jogo. A raça de Giménez se vê na bola, no futebol, não em trombadas, provocações e deslealdade.

O Uruguai tem futebol para chegar ainda mais longe na Copa? Há limitações, mas jogadores como Cavani e o próprio Suárez podem brilhar e decidir jogos. Sem catimbas, trombadas, rasteiras ou mordidas, suas chances aumentam. 

terça-feira, junho 24, 2014

Vagabundos e machistas


Antonio Prata, em mais uma crônica magistral, disse que a Copa do Mundo é uma espécie de "salvo conduto para a vagabundagem". As pessoas adoecem estranhamente nas horas do jogos mais importantes, procrastinam compromissos para ver os menos interessantes. Acho que o fenômeno é ainda mais profundo.
Nos lares onde as mulheres não são tão chegadas a futebol, se preocupando apenas com os jogos da seleção brasileira, tenho observado que a Copa do Mundo, especialmente essa, no Brasil, é uma espécie de licença temporária para o machismo. Como todos os jogos viraram promessa de grandes partidas, nós, que amamos futebol e ainda mais Copas do Mundo, nos estampamos no sofá e deixamos tudo que não tenha bola, hinos nacionais e chuteiras coloridas para depois. Como nos imaginamos diante de homens poderosos que decidirão em uma palavra, ou drible, o futuro do universo, e sentimos, com nossas compulsões e superstições, que também participamos diretamente aquilo, nos sentimos muito à vontade para pedirmos uma série de "favores" que, em outros momentos, soarão exagerados, de mau gosto, preguiçosos e, finalmente, machistas.
Um petisco, uma bebida, almoço e janta na mão, na cama, coloca o lixo pra fora, lavar a louça e a roupa e, em casos mais patológicos, até banho de esponja e passar fio dental são solicitações feitas sem a menor cerimônia. Se a esposa ou namorada reclamar, se disser que não vê lógica nesse comportamento patológico, você dirá, com restos de salgadinho e biscoito recheado colados na barba por fazer, que ela "não entende dessas coisas", o que poderá soar, muitas vezes com mundos e fundos de verdade, que esse envolvimento com o futebol é "coisa de homem".
Sim, é verdade que  as coisas vêm mudando muito, que são vários os homens que preferem filmes e livros a futebol, e são várias as mulheres que entendem e praticam o futebol com muito mais amor e conhecimento que qualquer perna de pau barbado. Mas os casais que mantêm um perfil mais clássico sobre o futebol, podem sofrer com machismo enrustido liberado pelo "estado de Copa". Se eu disser que esse machismo ocasional é inofensivo, falo em causa própria e as feministas me odiarão. Se disser que isso é a prova de que estamos em um momento cínico que comprova a manutenção dos maus hábitos machistas, creio que exagero.
Creio haver saídas para a paz familiar. No último domingo, por exemplo, incentivei ardorosamente que meu cônjuge fosse ao show dos Titãs no SESC Interlagos, na companhia da minha distinta cunhada, enquanto eu e o namorado da minha sobrinha nos refestelávamos com um dos jogos mais divertidos da Copa: Argélia e Coreia do Sul. Foram seis gols, algumas belas jogadas. Depois as duas foram felizes e aliviadas por não precisarem ver nem Argélia e Coreia do Sul nem Portugal e Estados Unidos, um jogo cheio de emoções − para quem vê alguma emoção em jogos sem a presença da seleção brasileira.

Hoje, após esse jogo com muita emoção e pouco futebol entre Uruguai e Itália, vou lavar uma locinha, passar o aspirador e fazer um arroz. Quando meu cônjuge chegar do trabalho, vai poder tomar um banho, beber alguma coisa refestelada no sofá e assistir, relaxada e feliz, a algum seriado; ou, como forma de agradecimento, assistir a algumas mesas redondas comigo, afinal os tempos são outros…

sexta-feira, junho 20, 2014

Quatro atacantes, dois resultados


Sterling não tem medo de ninguém. Atacante da Inglaterra, nos seus 19 anos, esbanja a impetuosidade que tanto admiramos nos jovens. Mas, sem experiência, desperdiça habilidade e velocidade em jogadas que acabam sendo pouco efetivas.
Rooney surgiu como menino prodígio. Aos 28 anos, participa de sua terceira Copa do Mundo. Nas três edições, fez apenas um golzinho chocho e já tem hora marcada para retornar à Inglaterra. Jogando improvisado como meia, ou em sua posição de origem, no centro do ataque, não fez nada de relevante até hoje em mundiais. Chegou ao Brasil confiante (ou arrogante?) e vai embora levando consigo toda melancolia possível dos dias nublados, de São Paulo ou de todo Reino Unido.
Drogba segue sendo um jogador especial. Dessa vez, sua presença carismática, sua liderança explícita, não foram suficientes para que a Costa do Marfim virasse o jogo contra a Colômbia (que tem um tal de Cuadrado que parece ser exatamente aquele jogador que faz falta ao Brasil, habilidoso nos dribles, eficiente nos passes). Mesmo Drogba siga sem marcar na Copa realizada no Brasil, sua seleção só faz gols quando ele está em campo, ainda que o atacante marfinense não participe das jogadas mais importantes de seu time.
O uruguaio Suárez − que é a cara do poeta Sérgio Vaz − foi operado poucos dias atrás. Enquanto esteve em campo, ninguém se lembrou de sua contusão. Marcou dois golaços de quem sabe jogar, de quem é do ramo, pregou o segundo cravo no caixão inglês e fez a esperança renascer entre os uruguaios.

Suárez, alguns nos fazem lembrar, é descendente de índios e foi punido por denúncias de racismo. Sua eficiência, sua garra, não são suficientes para que nos esqueçamos disso. Bem, seus gols não deveriam ser suficientes para encobrir seu racismo, mas os amantes do futebol, quando se veem diante de dois gols tão bonitos quanto importantes, tão arrebatadores quanto necessários, costumamos perdoar quase tudo. Pelé e suas trapalhadas quando é Edson, Maradona e suas trapaças, Serginho Chulapa e sua truculência, Neymar e sua ostentação, Luis Fabiano e sua violência, Romário e sua futilidade, Balotelli e sua marra, tudo fica escondido atrás de jogadas eficientes, de golaços, da raça e da elegância exibidas em campo. Mais um motivo para, no futuro, olharem para nós, os que amamos o futebol, e nos acharem bárbaros, contraditórios, que admiram ao mesmo tempo o supostamente racista Suárez e o negro magistral Drogba, as jogadas do arrogante Rooney e a rapidez alegre de Sterling. Sei lá, viu…

quarta-feira, junho 18, 2014

Adiós, muchachos!


Dia desses, a respeito do craque santista Giovanni, que jogou no Barcelona nos anos 90, escrevi que técnica sem poesia, é coisa de "operários, maquinistas". A seleção da Espanha dos últimos seis anos foi um time inquestionável; com jogadores habilidosos do calibre de Xavi, Iniesta… e quem mais, mesmo?
O time da Espanha, assim como o do Barcelona, não deixando de lado que o clube pode contar com uma série de jogadores estrangeiros, como Neymar e um tal de Messi, era composto de muitos operários e maquinistas, empenhados, competentes, mas incapazes de fazer algo fora do manual.
Muita gente achou que faltou humildade e sobrou arrogância ao elenco e ao técnico. Pode ser verdade, mas outra coisa muito importante se passou com essa equipe que fez história. Eles acreditam tão apaixonadamente no estilo de jogo que os consagrou, que são simplesmente incapazes de fazer algo diferente quando algo dá errado. A crença quase religiosa no esquema tático consagrado, o tal "tik, taka", foi a razão da glória e do ocaso da Espanha. A derrota de hoje não apaga os méritos das conquistas recentes. Mas será que ficará algum legado?
A geração vitoriosa da Espanha conta com jogadores excepcionais, mas, que me perdoem os especialistas do assunto, não tem um craque. Não tem um cara capaz de fugir do roteiro, de improvisar, de surpreender. No jogo que talvez tenha decretado o fim de uma era, contra o Chile, os espanhóis perdiam chances claras de concluir porque exageravam na troca de passes, até perderem o melhor momento para o arremate, até serem desarmados. Quando tentavam agir de modo mais agudo, enfático, davam chutões da defesa para o ataque, cruzamentos afoitos, uma coisa pavorosa.
O alto nível técnico da Espanha, que encantou ou matou de tédio o mundo, foi eficiente enquanto não foi entendido e absorvido pelos adversários. Encaixotados, marcados sob pressão, a técnica sozinha, que já venceu um Mundial e duas Eurocopas, submergiu. Até que demorou muito.
O Barcelona, o Real Madrid e times medianos e até da segunda divisão espanhola, podem contratar craques. Os clubes espanhóis não formam craques, e a seleção, no máximo, conta com alguns jogadores competentes que se naturalizam por razões profissionais. Não dá tão certo assim, ou porque os expatriados nem são tão competentes assim, ou porque não conseguem se envolver sanguineamente com a seleção de um país que não é o seu. Empatia também pode fazer muita diferença.
O Brasil é desses países que, de vez em quando, vê surgir um craque. Quando consegue associar o treino, a técnica e a arte, quando combina operários, maquinistas e gênios, fica perto da perfeição. Em 2010, Dunga preferiu levar maquinistas, gladiadores, mas desprezou os craques e passou vergonha. Em 2014, a escassez de craques, a má fase de muitos jogadores especiais, levou a uma convocação quase unânime (portanto, perto da burrice), previsível e manjada. Sem buscar algo novo, surpresas, irreverência, temos tudo pra ficar no caminho, assim como já ficou a seleção espanhola.
Deixando saudades ou não, esta geração de competentes jogadores espanhóis se despede. Merecem respeito, entraram pra história, mas deixaram o caminho livre para as seleções que pretendem construir o presente. Vamos aguardar.


Brasil e seus clichês


O futebol é a maior caixinha de surpresas da humanidade. Todos os clichês passam pelo rude esporte bretão. Sabendo que clássico é clássico (e vice-versa), todo cuidado é pouco, pois ninguém vence na véspera e o jogo só termina quando acaba. Aliás, lambari é pescado é jogo é jogado.
A seleção brasileira tem abusado dos clichês e economizado no futebol. Bem sabemos que esse mundo apressado e guloso em que vivemos transforma tudo em mercadoria, tudo em modinha e mata a espontaneidade. Sim, cantar o hino nacional a capela já era, perdeu a graça e a função. Entrar em campo enfileiradinhos, cada um com a mão no ombro do coleguinha, não quer dizer mais nada − se é que algum dias quis dizer alguma coisa − e, no máximo, somos mais um entre tantos países do futebol.
Em campo, faltou a mão do técnico. Felipão trocou seis por meia dúzia nas substituições, e manteve Paulinho, que até teve uma ou duas chances de gol, mas, sinceramente, não está jogando nada. Paulinho em forma é jogador de primeiro time; sem ritmo de jogo, acanhado, lento e lerdo, não faz a menor diferença, e não se garante nem com o nome, pois nem é tão famoso assim no cenário mundial.
A atuação do Brasil, e também a do México, tem dividido as opiniões dos especialistas. Afinal, o Brasil jogou tão mal assim? O México se defendeu tão bem assim? Uchoa foi o melhor em campo ou defendeu com espalhafato bolas fáceis? Não importa como o México jogou. O problema é que o Brasil, que tem sido refém dos clichês, aceitou passivamente a marcação do adversário. Uma das maiores frases feitas do futebol avisa: não existe mais bobo no futebol. Sabendo disso, claro que não dá pra responsabilizar o adversário por não deixar a seleção canarinho jogar. Além disso, fiquei com a impressão de que os jogadores brasileiros estavam todos sofrendo de torcicolo, pois em vários momentos em que a inversão seria a melhor jogada ficaram todos com o pescoço duro, olhando para o mesmo lado. Também parecia, de vez em quando, que alguns jogadores se escondiam entre os defensores mexicanos, não se dispondo muito a participar das jogadas de ataque. Problemas físicos? Cansaço precoce? Sei lá.
As péssimas atuações de Paulinho têm feito que David Luiz, Thiago Silva e Luis Gustavo joguem partidaças. O problema é que eles não são responsáveis pela armação de jogadas e, sobrecarregados que estão, podem comprometer a qualquer momento.
E o Neymar, hein? Tem buscado jogo, voltado para armar, deu pequenas enfileiradas, um passe quase perfeito, mas não está sendo craque. E Neymar é craque, quem duvidará? Os times adversários sabem disso, e reforçam a marcação contra ele. Sendo o futebol um esporte coletivo (mais clichê), técnico e jogadores precisam encontrar a melhor maneira para Neymar atuar, fazer gols, brilhar. E a torcida? Qual é a responsabilidade da torcida nesse jogo flácido que é o Brasil? Torcida não ganha jogo (mais clichê) e um décimo segundo jogador só congestionaria o meio de campo…

A seleção brasileira precisa escapar dos clichês. Deixar de lado a coreografia ensaiada (e já mecânica) do hino, da mãozinha no ombro, do falso diálogo com a torcida, que já não está tão empolgante ou empolgada − os mexicanos e os argentinos nos ensinaram como é que se torce pela seleção. Precisa treinar, buscar jogadas, precisa trocar as peças que não estão correspondendo − Fred, talvez, Paulinho com certeza − e, colocando o coração na ponta da chuteira (esse dói), vencer, mesmo que não convença − mas, no fundo, a vitória sempre convence.

segunda-feira, junho 16, 2014

Estrela solitária


Não, não é aquela do distintivo do Botafogo; o time carioca tem muitas glórias. Também não é o planeta Vênus, que nem é estrela e nem brilha sozinha por muito tempo. A estrela solitária é Cristiano Ronaldo, para muitos o melhor jogador do mundo.
Quando atua na seleção de seus país, Cristiano deixa de ser craque. Torna-se um jogador desesperado, desanimado, triste de ver ao seu redor jogadores tão abaixo de seus colegas de clube. Falta empenho, falta ímpeto, falta mesmo, eu diria, amor ao seu país. Cristiano Ronaldo sempre deixa a impressão de que o importante não é defender as cores de Portugal, e sim que ele brilhe, que tenha espaço para demonstrar todo seu inegável talento. E todo mundo sabe que Copa do Mudo não é isso.
Em uma Copa, conta muito o senso de coletividade, um certo apego pátrio, que Cristiano Ronaldo parece não ter. Pior que ele faz o zagueiro equino Pepe. Este, sem apego a Portugal, o brasileiro naturalizado preocupa-se muito mais em demonstrar ao mundo inteiro que é "cabra macho" do que em defender as cores lusitanas. Foi expulso em uma jogada simples, por ter agredido covardemente o adversário com um tapa e, posteriormente, com uma chifrada. Penso que os africanos, ou descendentes de africanos, também não conseguem, por razões óbvias, defender Portugal com aquele senso de coletividade; talvez, interesse mais a eles estar em uma Copa do Mundo do que ver seu próprio time conquistando uma posição de destaque. Portugal carece da globalização e de sua colonização covarde.
Voltemos ao craque Cristiano Ronaldo. Sua postura em campo parece a de um rei em busca de súditos. CR7 é o típico rei menos o reino. Para ele, a seleção que defende não passa de um detalhe, de um grupo formado ao acaso, estruturado para que ele brilhe. Se os demais jogadores não brilham colocando a bola no pé de Cristiano Ronaldo, não servem. É por isso que Cristiano Ronaldo ainda é um excelente jogador… de clubes. Suas atuações de gala na repescagem para a Copa do Mundo não desmentem essa afirmação. Contra a Suécia de outro craque egocêntrico, Ibrahimovic, a disputa foi justamente entre egos, não entre seleções, e o português levou a melhor, por ser o melhor do momento.
Ronaldo não marca, não compõe a defesa, não está n aí para o que acontece no jogo enquanto a bola não chegar aos seus pés. A seleção portuguesa, entre mediana e ruim, não está à altura de seu principal craque e não joga mais motivada por tê-lo no time, exatamente o contrário do que ocorre com a Costa do Marfim em relação a Drogba. Os marfinenses eram um time encaixotado sem o craque africano em campo, e outro, muito melhor, após sua entrada no jogo. Drogba se integra e entrega ao time; Ronaldo, só sabe brilhar sozinho.
Os marfinenses, limitados, podem chegar a algum lugar especial na Copa; Cristiano Ronaldo, preocupado em ser o craque da Copa, tem grandes chances de ir pra casa na primeira leva de derrotados.

Enquanto isso, a seleção alemã segue tranquila, dominando a bola, jogando bonito e fazendo muitos gols. Com muitos jogadores excelentes e apurado senso de grupo, mais uma vez, é candidata ao título.

Copa? NBA!


Futebol demais enjoa?  Não em época de Copa do Mundo, mas nesse domingo, não houve jogo digno de crônica. Suíça e Equador fizeram um joguinho sem encanto algum. A novidade foi a Suíça querendo jogar, buscando vencer, e não apenas defendendo o goleiro com unhas e dentes. Não creio que seja suficiente pra fazer algo de relevante ao longo dessa Copa de tantos gols. A Suíça venceu a limitada seleção do Equador, de virada (a quinta, desde o início do Mundial), mas o Equador é isso: uma seleção limitada.
Já a França, talvez atenta após o vexame do Uruguai diante da Costa Rica, dominou o jogo e fez três gols − quer dizer, Benzema fez três gols, embora o árbitro brasileiro tenha atribuído um gol ao goleiro hondurenho, Valadares. A França fará uma grande Copa? Cedo demais para saber, ainda não foi posta à prova de verdade.
O jogo mais esperado do dia, um dos mais esperados da primeira rodada, foi Argentina e Bósnia. Messi fez um golaço bem ao seu estilo, deu alguns belos passes, mas também ficou de cabeça baixa, prendeu demais a bola, de vez em quando demonstrava desinteresse com a partida. O craque não pode mais reclamar da falta de bons companheiros na seleção. Di Maria é um excelente jogador (mas produziu pouco, é verdade), Agüero é atacante de primeiro nível (mas, pensando bem, também não empolgou). É, Messi continua carecendo de bons companheiros na seleção argentina, mas isso não é desculpa pra não demonstrar interesse pelo jogo e para prender demais a bola. Messi, em um ou dois lances pode decidir qualquer partida, mas precisa se empenhar mais, em vez de ficar esperando esses lances caírem dos céus.
A Bósnia fez uma péssima partida. A quantidade de passes errados, passes simples, demonstrava ansiedade e nervosismo. Ainda assim, segurou a tropicante Argentina e se não fosse pelo gol contra aos dois minutos de jogo, poderia ter se animado mais e ter construído um resultado diferente ao final da partida.
A Copa do Mundo, neste domingo, estava com gosto de ressaca. Por isso, a grande notícia, o grande evento do dia, Foi nos Estados Unidos, na final da NBA. Thiago Splitter tornou-se hoje o primeiro brasileiro a conquistar um título na principal liga profissional norte-americana, com o San Antonio Spurs, que venceu o Miami Heat, time do maior jogador de basquete da atualidade Le Bron James. Os Spurs viraram o jogo com tamanho talento e autoridade, que o último quarto foi praticamente um desfile dos campeões. Splitter, que é reserva e quase foi dispensado, após um final de temporada meia-boca no ano passado, participou muito bem dos jogos das finais, incluindo o jogo de hoje, quando deu assistências importantes e um toco clássico que levantou a torcida.
Splitter nunca foi visto pela torcida como um jogador de ponta, daqueles que decidem uma partida. No Brasil, sempre brilhou pouco na seleção, ofuscado por Nenê, Leandrinho, Varejão e Marcelinho Huertas. No entanto, superação e perseverança parecem ter sido as palavras de ordem para ele nessa temporada. Sabendo qual era o seu papel no time, não decepcionou e colaborou efetivamente para esse título que veio com folga, com os Spurs vencendo quatro partidas e perdendo apenas uma.

As lições do dia? Messi é craque, mas ainda não brilhou tudo que pode; a Suíça mudou seu modo de jogar, mas está longe da excelência; Equador é coadjuvante de segunda classe; Honduras não é Costa Rica; França está na chave ideal para não repetir o fracasso de 2010; Thiago Splitter é campeão da NBA, com humildade, disciplina e superação. Ginobli, Leonard, Park e Duncan jogam pra caramba, não amarelam nem desanimam. Aliás, o argentino Ginobli joga com a mesma competência e empenho nos Spurs e na seleção de seu país. Será que ele não teria algo a ensinar a Messi?

domingo, junho 15, 2014

Personagens do terceiro dia


A Copa do Mundo no Brasil, se ignorarmos tudo ao redor da própria Copa, da FIFA aos superfaturamentos, está uma delícia. Todas as equipes atacam mais do que defendem, muitos gols, já houve quatro viradas, ninguém está vencendo de véspera, tradição e nome não estão definindo as partidas, com uma única e muito interessante exceção: Didier Drogba.
O craque marfinense virou a partida contra o Japão sem participar das jogadas que resultaram nos dois gols que levaram a seleção africana à vitória, de virada, contra o Japão. Drogba é um jogador especial. Sua simples presença em campo deu aos seus companheiros de equipe um ânimo diferente, trocou a aparente apatia por um ímpeto, uma motivação, uma vontade de vencer, que poucas vezes se viu no futebol. Drogba é um líder nato, um general carismático cujo ímpeto de vencer contaminou toda uma seleção e, acredito, todo um país que passou a acreditar na vitória da Costa do Marfim. Belíssimo caso de liderança positiva (ao menos, quando visto de longe, no dia a dia da seleção marfinense, honestamente, não sei como as coisas funcionam).
Outro jogador que mereceu destaque no terceiro dia de Copa foi o volante italiano Andrea Pirlo. Para quem chegou ao Brasil anunciando sua aposentadoria da seleção logo após o mundial, o craque deu um verdadeiro show na estreia da Itália, dominando o meio campo, distribuindo a bola com uma precisão que poucas vezes se vê. Pirlo ditou o ritmo de sua equipe, que seguiu seguro, apesar das investidas rápidas da Inglaterra, que teve em jogadores jovens, iniciantes, suas melhores jogadas. Sterling, aos 19 anos e estreando em jogos oficiais pela seleção, jogou sem sentir peso algum, solto, leve, assim como Sturridge, que marcou um belo gol.
Agora, o maior destaque do Dia foi o atacante da desprestigiada Costa Rica, considerada previamente o saco de pancadas da Copa, por estar em uma chave com três campeões mundiais. Pois o saco de pancadas venceu, de virada, a seleção uruguaia, bi-campeã mundial, que conta com Cavani, para mim um dos principais jogadores do futebol mundial. E Campbell, um jovem atacante de 21 anos, jogou solto, como se estivesse em uma pelada com amigos de infância. Campbell não é nenhum craque, ao menos não ainda. Não tem o histórico ou a competência de Pirlo, a experiência de Cavani, mas gosta do que faz, e faz bem. Não se intimidou com os adversários, com a torcida, com o peso de estar jogando uma Copa do Mundo, por estar sendo assistido por, quiçá, bilhões de pessoas, não se retraiu depois do gol marcado pelo Uruguai. Chegou lá e jogou, participou dos gols, quase fez um golaço e tomou a maior rasteira da história das copas, de um jogador que nitidamente não foi competente para vencer e não teve dignidade para perder, um tal de Max Pereira. E a Costa Rica venceu por 3 a 1, de virada. Vale ressaltar que aparentemente, nenhum dos dois times tinha um padrão definido, jogavam na base do "bumba meu boi", toca em quem tá livre, em quem tá mais perto, pra ver o que acontece.
Campbell nos deu a lição do dia: tantas vezes, a adversidades que enfrentamos são bem menores do que todos nos fazem crer. Quem tiver alguma coisa para fazer, que vá lá e faça. Simples assim.

Ah, sim, faltou falar de Colômbia e Grécia. Jogo sem atrativos, a não ser pela constatação de que a Grécia abandonou a defesa covarde pra tentar jogas futebol. Levou três gols e não marcou nenhum.   

sábado, junho 14, 2014

Sem dó


A Espanha não merece misericórdia. Ela fez mal ao futebol em seu período de hegemonia, com seus toques de lado, com seu poder financeiro, com seus narizes empinados.
A Espanha não merece compaixão. Tem em seu time jogadores de fato muito competentes, mas jamais cravou um craque, desses que entram para a história pelas suas jogadas geniais. Uma seleção competente, vencedora, mas sem a menor poesia correndo entre as pernas dos jogadores.
A Espanha merece respeito. Duas Eurocopas consecutivas, uma vencendo a Alemanha, outra trucidando a Itália. E uma Copa do Mundo no meio.
A Espanha exige cuidado. Perdeu a primeira partida da Copa de 2010 para um time sem expressão, a pálida Suíça. E despachou Alemanha e Holanda nas partidas finais.
A Espanha não tem simpatia. Vem perdendo e empatando, mas sempre afirmando que não pretende mudar o modo de jogar, pois são campeões etc.
A Espanha não tem futuro. Seu time envelhecido, seus craques manjados, suas jogadas desbotadas. Uma seleção vitoriosa que, tudo indica, não deixa legado.
A Espanha não tem medo. Se pegarem o Brasil nas oitavas, entrarão em campo de cabeça erguida, tentando impor seu presente sobre o passado glorioso da seleção canarinho. E tudo poderá acontecer.

O que resta a qualquer time que enfrentar os espanhóis é encará-la sem dó. Eles estão velhos, cansados, até previsíveis. E se não projetam esperança no futuro, já fazem parte da história. 

Tamanco holandês


A Copa do Mundo é um evento especial, sim. Sei que enquanto nossa paixão nos guia diante de belas jogadas e erros crassos de jogadores e árbitros, enquanto o timeco espanhol − sempre achei essa seleção chata pra caramba, os campeões do um a zero, só na final da Eurocopa de 2012 fizeram alguma coisa interessante − leva um chocolate da laranja embalada em papel azul, coisas tristes acontecem, tipo o Aécio perseguindo desafetos, endinheirados arrotando grosserias contra a presidenta, e casos corriqueiros de corrupção em todas as esferas da vida pública brasileiras, fora as filas, o transporte público ridículo, os remédios em falta pelos postos de saúde e o meu ridículo salário de professor. Mas a Copa, nos encanta e nos dá lições.
A Espanha era a atual campeã do mundo. Dona de um jogo chato, seleção que levou o último título mundial sem apresentar um futebol vistoso, de um a zero a um a zero, tendo inclusive perdido na estreia para uma insossa Suíça. É possível que a Espanha seja o time mais antipático, mais arrogante e menos encantador de todas as Copas. A Itália ganhou títulos sem brilho, mas sempre me pareceu consciente de suas limitações, sempre levou suas vitórias como um ato de superação; já a Espanha sempre acreditou em sua competência, em sua superioridade, em sua maestria. Esqueceram que o supertime do Barcelona, se tinha uma série de jogadores que não são espanhóis, como Messi, Maxwell, Daniel Alves, Alexis Sanchéz, e antes teve Ronaldinho Gaúcho, antes ainda Rivaldo, Giovanni, Ronaldo Fenômeno; o Real Madri também sempre foi uma constelação de jogadores do mundo todo.
E a Holanda, tri-vice, chegou com uma seleção meio assim, desacreditada, mais ou menos, e simplesmente humilhou os atuais campeões, os que afirmaram cheio de empáfia, que "não deveriam mudar seu estilo de jogo" por serem campeões do mundo, europeus etc.
Os espanhóis entraram em campo calçando tamancas. Tomaram cinco tropicadas. E a Copa do Mundo no Brasil assistiu à sua primeira partida histórica.

Esta Copa está mesmo muito legal!

sexta-feira, junho 13, 2014

A FIFA, essa atrasada


E ontem a Copa do Mundo no Brasil teve início. A abertura, sem novidade alguma, foi de um tédio tremendo. As águas e ritmos brasileiros não empolgaram nem o maior ufanista de nossa flora, nossos rios, nossa cultura. Tudo um imenso clichê. Ficou também que a impressão de que os gastos astronômicos para a construção dos estádios foi compensado com a economia de participantes nas danças e performances da abertura. Compartilho um termo usado pelo jornalista Juca Kfouri: tudo muito "borocochô".
Eu, particularmente, gostei da cerimônia de abertura porque ela teve o mérito de ser curta. Não gostei da performance do tão falado exoesqueleto do cientista NIcolelis. Fiquei sem saber ser foi a transmissão que não soube valorizar o momento ou se o chute dado pelo usuário do equipamento (que prometia fazer um paraplégico andar e chutar um bola em direção ao gol) foi propositalmente escondido, por não causar  impacto divulgado.
A música da abertura é muito fraca, não empolga, por mais que Jenifer Lopez e Claudia Leitte rebolassem. Os envolvidos na composição, me pareceu, não entendem nada de futebol e da paixão que ele desperta.
Aí, o jogo. Enquanto a seleção brasileira se preparava para entrar, com muitos jogadores com os olhos marejados, fiquei preocupado. Não era hora de se emocionar, mas de concentração total, direta, plena. O hino nacional entoado para além do padrão FIFA (essa chata), foi muito legal, mas, sem ser novidade, perdeu em simpatia. Fiquei preocupado com as pernas bambas dos jogadores e sabia que a Croácia não é um time qualquer.
Aí o jogo de verdade. Boa parte da crônica esportiva afirmou que a seleção jogou mal. Discordo. Jogou bem. Buscou atacar, não se intimidou nem com a lambança defensiva que resultou em um gol contra do Marcelo. O pênalti que não houve (para alguns prova cabal de que o campeonato inteiro está comprado pelo Brasil),deu uma manchada no resultado final, mas acho (talvez por inocência) que aquilo foi um erro do juiz, não um golpe de má-fé.
Oscar, desde o começo, me surpreendeu pela consistência, Paulinho me decepcionou, parecia que estava fora de ritmo, Daniel Alves pretende se impor como jogador do Barcelona em vez de jogar futebol. Fred não apareceu, mas acredito que o jogo deve ser nele, o cara faz gol até deitado, até de quadril. Hulk, imagino, sentiu a estreia, participou pouco e mal.
Neymar foi bem, estava a fim de jogar, não amarelou. Luiz Gustavo idem, os zagueiros (melhor defesa do mundo?) não foram tão seguros.
Foi uma boa partida de estreia, prenúncio de boas partidas por aí. Quem parece preferir estragar, diminuir os espaços para empolgação é a FIFA, com suas padronizações, seu esquematismo, sua aculturação. Temos um time e temos vontade de vencer, o que não é suficiente para ir mos muito longe, mas nos dá um certo orgulho ao vermos aqueles jogadores se dedicando. Hernanes e Ramires têm boas chances de cavarem um espaço como titulares ao longo da Copa, Paulinho, antes incontestável, ou acorda ou cede a vez.
Emoções maiores nos esperam, certamente. Isso, se a FIFA, essa atrasada, não atrapalhar.


quarta-feira, junho 11, 2014

Enfim, vai ter Copa


Se no futuro, por algum entediado e infeliz acaso, alguém vier a ler este texto, pensará em nosso primitivismo. Sim, a FIFA e a sua cartolagem "esgota" que escorre da Suíça para os campos mais remotos do globo terrestre, no Burundi e em Roraima, em Wembley e no Mané Garrincha, vai fazendo o esporte bretão perder o charme, ficar chato e arrogante. Não fossem Messi, Neymar, Cristiano Ronaldo, Di Maria, Fred, Pedro, Van Persie e tantos outros donos da bola, a própria bola já estaria perdida.
Amo futebol.
E, como eu dizia, é possível que a linha evolutiva da humanidade um dia torne esse amo sem sentido, como ficou sem sentido as críticas do gênio das letras Graciliano Ramos sobre o futebol. Ele preferia  rasteira, nosso verdadeiro esporte nacional. As multinacionais da indústria de material esportivo, as vorazes empresas da mídia, podem, em tempos de crítica aguda, matar o amor em geral. E a linha evolutiva da humanidade, repito, pode considerar nosso amor por um esporte como o futebol até mesmo um desvio de caráter. Se a humanidade melhorar, senhoras e senhores, é possível que o futebol, junto com nossa gana de vencer e de superar os adversários, desapareça.
Mas estamos no presente. E quando falamos de futebol, também falamos em tradição, em versos como estes, do hino do maior time da história: "Dando o sangue com amor/
Pela bandeira que ensina/Lutar com fé e com ardor".
O presente é do futebol, é da Copa do Mundo, apesar da FIFA, organização que lembra em alguns momentos alguns filmes de gângster, dado o altíssimo volume de dinheiro que movimenta (nem sempre declarado), dada a permanência quase milenar de seus dirigentes, dado o desprezo com que costuma lidar com tudo que não seja seus próprios interesses.
Amo o futebol porque ele entrou pelos meus poros quando eu tinha apenas seis anos de idade e aprendi que o melhor nem sempre vence e que a vida é isso aí, hoje beija, amanhã não beija. Foi quando vi a seleção brasileira perder para a italiana na Copa da Espanha, em 1982. Aquela derrota, mas, acima de tudo, aquele time, definiu algumas coisas em minha vida, muito antes de qualquer opção política, muito antes de saber quem era Machado de Assis. Aquele time, inclusive, foi a minha primeira musa, para quem escrevi dramas nos quais ele se saía vencedor. De Eder a Zico, de Júnior a Leandro, de Falcão a Sócrates, de Cerezo a Telê, tudo era talento, e aquela derrota, para meus padrões de garoto urbanos e telespectador contumaz, só perdia em importância para a possível morte do Ultraman.
O Ultraman ficou escondido em alguma esquina imaginária de Tóquio, em alguma galáxia não catalogada, e o futebol me acompanhou vida adentro. Quando é bem jogado de fato, o futebol me arrebata. Ópio do povo? As catárticas tragédias gregas também o eram (aliás, a cabeçada de Zidane na final de 2006 vale toda a obra de Sófocles), as óperas, os contos machadianos, a voz definitiva de Cássia Eller, a intensidade das pinceladas de Dalí, a antológica série de TV The Following, tudo opiáceo, tudo fundamental. Todos precisamos de um pouco de vertigem, todos precisamos de poesia, precisamos escapar, precisamos de paixão, e cada um tem o ópio que consegue.
Também precisamos de comunhão, e o futebol tem a magia de reunir inclusive adversários − desde que não sejam descerebrados − em torno da TV, em torno de um mesmo jogo. Em momentos específicos, ficamos todos do mesmo lado, espanamos o mofo de nosso orgulho patriótico e vamos torcer, fazer churrasco, discutir tática como se fôssemos do ramo, relembrar craques do passado, lamentar a falta de amor à camisa, nos alegrar ou consolar mutuamente; vamos, pagando o preço de usarmos os mesmos clichês a cada quatro anos, sentir que somos povo.
Tempos atrás nos informaram que ufanismo em excesso e fora de lugar pode nos alienar. Nos dias de hoje, curiosamente, os mais alienados são os que mais berram contra a alienação. O fenômeno é curioso, mas comum: quando o assunto é educação, por exemplo, os mais preocupados em denunciar as mazelas de nosso ensino são, sem o saber, suas maiores vítimas, enquanto que os menos atingidos pela avalanche de "intoxicação escolar" são os mais conscientes do próprio prejuízo (e acabam sendo os que mais estudam, se preparam e superam adversidades), assim como aqueles que têm reclamado da "burrice do povo" são os que mais repetem clichês rasos, os que mais reclamam da corrupção são os que mais praticam o "jeitinho" e assim por diante. A Copa do Mundo que começa agora virou a grande culpada de todas as mazelas nacionais, a Geni do momento, o foco da fúria contra o nosso subdesenvolvimento.
Ficamos 64 anos sem sediar uma Copa do Mundo. Neste intervalo, bem sabemos, a educação cambaleou, sem conseguir se firmar; a saúde nunca se destacou positivamente no cenário mundial; governos estaduais e prefeituras investiram em habitação e transporte público muito menos do que suas obrigações exigiam, e o hábito de tirar vantagem em detrimento da lei, do próximo ou da sociedade grassou bestialmente em todas latitudes e longitudes da sociedade. Além disso, durante boa parte desse tempo, a alienação esteve em nosso meio dos mais variados modos, seja pelas telenovelas, pelas canções populares estilo chiclete, seja pela apatia ou pelos anos de ditadura que nos ensinaram a não nos preocuparmos com assuntos profundos, pois a junta ditatorial, digo militar, se encarregaria de cuidar do país, fazendo, inclusive, com que muitas pessoas pensem até hoje que naqueles tempos "olivais" não havia corrupção ou incompetência administrativa, afinal de contas, o que não é documentado, o que não passa na tevê, não existe.
Mas eu falava do futebol. Amo futebol e não pretendo que me estraguem a festa que será − torçamos para que seja − a Copa do Mundo no Brasil. Torcer para que as coisas deem errado para assistirmos de forma canibalesca ao constrangimento dos governantes não é consciência política, é cretinice, pois revela não apenas nosso instinto de hiena, mas nossa preguiça política, nosso espírito público de porco, nosso complexo de vira-lata, enfim.
Os tubarões já encheram suas burras de dinheiro licito, mas moralmente questionável, e de superfaturamentos exorbitantes além da clássica  roubalheira, mesmo. Isso é uma vergonha e não deve ser letra morta após a competição. A infraestrutura que nos prometeram junto com a Copa não veio, não virá mais. Seria muito mais prático e cívico exigir, pressionar para que as contas sejam levadas a público e os gastos abusivos sejam ressarcidos ou reinvestidos de modo mais útil para a população. Será inteligente cobrar que culpados sejam presos, com ou sem Copa, será lúcido continuar se manifestando independentemente do governo que estiver no poder − e os governos são cada vez mais parecidos em uma série de coisas.
De novo, quero falar de futebol. Ele não está acima de tudo, não aceito todos os meios para que ele seja o centro das atenções; a FIFA é uma instituição indiferente a tudo que não sejam os seus interesses financeiros e se pudesse extinguiria até mesmo o futebol − mas não a Copa, enquanto ela der lucro. Contudo, não nos esqueçamos: nossa seleção tem Neymar; Cristiano Ronaldo tem capacidade para vencer sozinho uma Copa do Mundo; os argentinos têm Messi, Di Maria e uma vontade incontrolável de estragar a festa brasileira; a França nos faz de seu eterno freguês e Bezema parece estar voando; a Espanha, via Barcelona, já nos humilhou no passado recente e tem um time técnico e competente; a Itália quer alcançar o penta; o Uruguai é a única seleção que já venceu um título mundial em solo brasileiro e a Alemanha dispensa comentários e não precisa de motivações extras para ser favorita a algum título. Tudo isso não vale um leito a menos no hospital, mas vale a nossa catarse, a nossa comunhão, o nosso ópio. Como diria o compositor popular, a Copa também é uma forma de nos vingarmos de toda desgraça da vida. Vale, como diria o locutor, "a nossa torcida".
Temos que adquirir o hábito de cobrar do poder público a aquilo que temos por direito por pagarmos nossos impostos, por sermos cidadãos, seres humanos. Isso precisa ocorrer sempre, e não somente agora. Falar que professor é um herói precisa deixar de ser clichê, exigir que os governos se empenhem em resolver o problema de moradia é ir além da mercantilização do mundo, cobrar transporte público de qualidade e barato precisa ser uma bandeira de todos, inclusive dos que hoje não fazem uso desse transporte. A Copa pode ser uma vitrine para essas reivindicações, mas também é uma Copa do Mundo, um evento que aguardamos durante quatro anos, algo que faz parte de nossa cultura, de nossa formação, de nossas paixões (e se a FIFA não lidasse com uma paixão tão arrebatadora quanto o futebol, já estaria falida). Vamos torcer, vamos curtir, não como tolos alienados, intoxicados pelo tal ópio do povo; vamos também protestar e exigir o que é nosso, sem nos esquecermos que o futebol, ainda que esteja nas mãos de gângsteres, é mais nosso do que deles. Vamos burlar as leis imbecis e ditatoriais da FIFA sobre acarajés e festas juninas e vamos celebrar, quer o Brasil vença quer tropece pelo caminho.  Vamos aproveitar os feriados para celebrar não apenas o futebol, mas o renascimento da consciência do povo e a bênção de estarmos ao lado de quem amamos. E vamos comemorar cada gol, sim, vamos ficar tensos a cada partida difícil, sim, vamos curtir as partidas de outras seleções também. Só não vale achar que uma Copa vale uma vida, vale o descaso das filas, vale a indiferença dos governantes, especialmente aqueles que têm procurado manipular o povo contra ou pela Copa.

No futuro, seja pela guerra, seja pelo amor espalhado entre os povos, a Copa não fará ais o menor sentido. Mas agora, ah, como ela é importante.

Seguidores